Notícias

Novo radioisótopo traz boas notícias para o Tratamento do Câncer

Uma equipe de cientistas de vários países conseguiu produzir uma quantidade significativa, desenvolvendo seu caminho para ser utilizado no tratamento contra o câncer. O isótopo, Térbio-161, emite uma quantia de elétrons de baixa energia enquanto decai, o qual pode ser útil para o tratamento de pequenos tumores.

Radioisótopos são utilizados normalmente no tratamento do cancêr, o isótopo é anexado à uma molécula bioconjugada – um anticorpo por exemplo – que tem preferência por se unir a células cancerosas, fazendo com que os isótopos destruam apenas a área adoecida. Conforme o isótopo decai, ele emite radiações que ionizam o DNA da célula, prevenindo o crescimento do tumor.

Térbio-161 produz elétrons Auger que podem matar células cancerosas.

Entretanto, encontrar radioisótopos com exatamente as características necessárias para o trabalho é difícil. Normalmente eles têm que ter uma meia vida relativamente curta, diminuindo a exposição prolongada do paciente, e a radiação emitida deve ser de curto alcance fazendo com que apenas as células cancerosas sejam expostas. Acima de tudo os físicos precisam de grande quantidade do isótopo puro para criar uma linha de tratamento.

Um dos isótopos mais novos e atraentes é o Lutécio-177, com meia vida de aproximadamente seis dias e meio, ainda está “quente” quando chega ao hospital, mas ainda pode causar problemas após o tratamento por ainda ficar por aí. Além disso ele emite quase que exclusivamente partículas de beta de baixa energia e alcance (elétrons), portanto o dano ao tecido saudável é mínima. Mas agora Konstantin Zhernosekov da Universidade Técnica de Monique, na Alemanha, e sua equipe produziram um radioisótopo que parece ser muito mais promissor do que o Lutécio-177: Térbio-161.

Para cada partícula Beta emitida pelo decaimento do Lutécio-177, Térbio-161, que tem meia vida de sete dias, emite , em média, dois Elétrons Auger de baixa energia (Elétrons Auger é o nome dado ao elétron cuja emissão se deve à emissão de um primeiro elétron). Isso significa que, dose por dose, Térbio-161 deve ser capaz de destruir o câncer mais rapidamente.

.

.

Opinião do Autor: É interessante, eu espero que realmente de certo este estudo, o câncer é uma doença realmente debilitante.

.

.

Fonte: Chemistry World.

Anúncios

Deixar um Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s