Notícias

Celulares são, possívelmente, Carcinogênicos!

Celular

Pesquisa demonstra que o uso do Celular pode causar câncer.

Os celulares estão classificados como “possivelmente Carcinogênico para Humanos”. Ou seja, possíveis causadores de câncer.

Esta foi a conclusão anunciada ontem dia 31/05/2011 por 31 especialistas durante uma reunião de uma semana em Lion na França, convocada pela Agência de Pesquisa sobre o Câncer (IARC em inglês)  da Organização Mundial da Saúde.

Eles concluíram que existe uma evidência “limitada” sugerindo que celulares aumentam riscos de tumores malignos no cérebro em 40%, mas somente para usuários constantes, os que fizeram ligações durando mais de 30 minutos nos últimos 10 anos. Existem, também, uma evidência limitada de aumento no risco por um tipo específico de câncer cerebral chamado de neuroma acústico, mas não foram encontradas evidências para outros tipos de câncer cerebral.

“Existem algumas evidências do aumento de risco de glioma e neuroma acústico” Diz Kurt Straif, chefe doa programa de monografias do IARC em uma coletiva ontem. “Mas não está claramente definido se o uso de aparelhos celulares realmente causam câncer em humanos”.

Neuromas acústicos são relativamente raros, atinge cerca de 1 pessoa por 100 000 habitantes. Eles são cerca de 6 a 10% de todos os tipo de tumores cerebrais ao redor do mundo. Gliomas são muito mais comuns, aproximadamente 60% de todos os casos de câncer cerebral nos EUA.

Quando questionado sobre o que a população poderia fazer baseado nas novas descobertas, Straif disse que enviar mensagens de texto e usar viva voz “Diminui a exposição pelomenos em magnitude”, mas cabe aos consumidores definirem quais as medidas que deverão tomar.

Ele também disse que o governo deveria fazer recomendações de como regulamentar os celulares baseado nas novas descobertas.

Robert Baan, o cientista do IARC responsável por publicar as descobertas, disse que a classificação para a radiação do celular é “2B” junto com outros 240 possíveis carcinogênicos, incluindo: Talco de banho, radiação eletromagnética de baixa frequência de cabos de força e uma variedade de pesticidas, herbicidas, produtos de impressão e lavagem a seco.

Jonathan Samet, da University of Southern California, Los Angeles, chefe do grupo de trabalho, disse que a evidência chave para a classificação veio de dois estudos internacionais maiores. O Primeiro, chamado de “Interphone”, identificou o risco maior de gliomas em usuários constantes, mas também demonstrou que não houve risco de câncer cerebral em 13 países entre 1997 e 2004.

O segundo estudo, liderado por Lennart Hardell me Ôrebro University na Suécia, descobriu que o risco de neuromas acústicos quadruplicou em usuários de celulares analógicos. OS tipos de celulares que foram banidos em 2000 do reino unido e em 2008 nos EUA.

A Pesquisa pelo mecanismo de como esse tipo de radiação de baixa frequência pode causar câncer falhou até o momento, não somente porque a radiação é tão fraca que não causa mutação quebrando as ligações no DNA. “Nós descobrimos traços de evidências de como o câncer pode ocorrer, mas ainda existem espaços e incertezas.”

Respondendo às críticas feitas semana passada que o IARC ignorou estudos importantes. Straif disse que todos os estudos disponíveis foram incluídos na revisão. “Muitas das últimas análises foram disponibilizadas à IARC uma semana antes da reunião.” Inclusive todas as análises nacionais do estudo Interphone também foram incluídas.

“Essa é a primeira avaliação científica de toda a literatura com o tema de se a radiação do celular pode causar câncer”. Informou Straif, “Isso nos leva a um novo grau de consenso”

Os pesquisadores concluíram que os possíveis efeitos do uso contínuo de aparelhos celulares a longo prazo ainda precisa de mais investigação. A IARC também gostaria de mais pesquisas. Samet apontou que, nesse momento, existem aproximadamente 5 bilhões de aparelhos celulares registrados no mundo e “nós prevemos uma quantia ainda maior de pessoas que são expostas por períodos cada vez maiores”. Dito isso, mudar os celulares da categoria do “possível” para uma mais definitiva não será fácil. Estudos epidemiológicos como o Interphone tendem a comparar pessoas saudáveis com aquelas que tiveram câncer cerebral perguntando a ambos sobre o uso deles do aparelho celular. “Nós sabemos que isso é inerentemente imperfeito.” Disse Samet. E como todos os estudos levam tempo para realizar, eles, inevitavelmente, estão avaliando tecnologia antiga. Estudos com animais procurando riscos oriundos de campos eletromagnéticos de radiofrequência estão sendo misturados, mas não somente em ver um risco, como também em dizer porquê pode ser um.

A IARC disse que só irá reavaliar os riscos do telefone celular dependendo das novas pesquisas que surgirem.

Clique aqui para ver o Artigo publicado Pela Agência Internacional de Pesquisa no combate ao Câncer da OMS.

.

.

Fonte: Science/AAAS e NewScientist

Anúncios

Deixar um Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s