Experimentos

[Experimento] Massa de Modelar Caseira

Mais uma para a lista de coisas divertidas para brincar:

Materiais

Com aquecimento:

  • 450g de Farinha de Trigo;
  • 450g de Água;
  • Corante de Alimentos (Anilina);
  • 450g de Sal Refinado;
  • 2 colheres de sopa de Óleo de Soja;
  • Panela;
  • Colher de pau e
  • 2 tijelas.

Sem aquecimento:

  • 4 Xícaras de farinha de trigo;
  • 1 Xícara de sal;
  • 1 Colher de sopa de óleo;
  • 1 e ½ xícara de água;
  • Corante de Alimentos (Anilina).

Procedimento

Com Aquecimento:

  1. Em uma tijela, misture a farinha e o sal, sim, eu disse misture, não jogue um sobre o outro e deixe parado;
  1. Na outra tijela, adicione a água e o corante de alimentos, misture também;
  1. Despeje o conteúdo das tijelas na panela, na ordem que foram preparadas, leve ao fogo, em fogo médio;
  1. Adicione as 2 colheres de óleo de soja;
  1. Mantenha misturando até chegar no ponto certo;
  1. Retire da panela e deixe esfriar naturalmente.

Sem aquecimento:

  1. Adicione todos os ingredientes em uma panela na ordem descrita;
  1. Misture bem até chegar ao ponto;
  1. Se a massa ainda estiver muito mole, adicionar mais farinha até o ponto ideal.

Porquê isso acontece?

Graças ao glúten presente na farinha. O Glúten (gliadina e gluteína) é uma proteína vegetal e é responsável pela elasticidade das massas de farinha, ele aparece em conjunto com outras proteínas vegetais, como Albuminas e Globulinas, além do amido dos cereais.

A viscosidade e elasticidade são propriedades naturais dos elementos protéicos do glúten, a gliadina (prolamina) e glutenina (glutelina);  a gliadina (composta pelos aminoácidos sulfurados, cistina e cisteína) é uma proteína bastante extensível mas pouco elástica, responsável pela ductibilidade e coesividade, enquanto a glutenina é o polímero responsável pela elasticidade da estrutura. A complexa mistura dessas duas cadeias protéicas longas através de pontes de dissulfido com água (através das pontes de hidrogênio), resulta na formação da massa com propriedades de coesão e viscoelásticidade, onde o glúten retém a água nos interstícios das cadeias protéicas.

Para obter essa massa, deve-se separar a parte proteica do glúten, que é insolúvel em água, da parte protéica solúvel em água (Albuminas) ou solúvel em soluções salinas (Globulinas) e do amido (fécula). Para usos químicos (não alimentares) é preferível usar uma solução salina para obter o resultado com maior pureza (pois a solução salina ajuda a extrair as globulinas). O produto resultante terá uma textura pegajosa e fibrosa, parecida com a do chiclete.

Anúncios

Deixar um Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s